NOTÍCIAS

------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

 

QUALIDADE
Metas internacionais de segurança do paciente implantadas na SCMSA.

10 Passos para a segurança do Paciente
Conselho Regional De Enfermagem Do Estado De São Paulo – Coren-Sp
Rede Brasileira De Enfermagem E Segurança Do Paciente – Rebraensp – Polo São Paulo - 2010


Esta campanha tem como objetivo sensibilizar e incentivar todos os profissionais que trabalham no hospital para que esta prática de higienização das mãos tenha uma adesão cada vez maior.
A higienização das mãos é a medida mais simples e menos dispendiosa na prevenção e controle das infecções hospitalares, sendo reconhecida há muitos anos como a medida mais importante.


 

PASSO 1
Identificação do Paciente
A identificação do paciente é prática indispensável para garantir a segurança do paciente em qualquer ambiente de cuidado à saúde, incluindo, por exemplo unidades de pronto atendimento, coleta de exames laboratoriais, atendimento domiciliar e em ambulatórios.

   

PASSO 2
Cuidado Limpo e Cuidado Seguro - Higienização das Mãos
Higienizar as mãos é remover a sujidade, suor, oleosidade, pelos e células descamativas da microbiota da pele, com a finalidade de prevenir e reduzir as  infecções relacionadas a assistência à saúde.

   

PASSO 3
Cateteres e Sonda - Conexões Concretas
A administração de fármacos e soluções por cateteres, sondas e seringas é prática de enfermagem comum que pode ser desenvolvida em ambientes de atendimento à saúde.

   

PASSO 4
Cirurgia Segura
Este passo apresenta medidas para tornar o procedimento cirúrgico mais seguro e ajudar a equipe de saúde a reduzir a possibilidade de ocorrência de danos ao paciente, promovendo a realização do procedimento certo, no local e paciente corretos.

   

PASSO 5
Sangue e Hemocomponentes - Administração Segura
A administração intravenosa de sangue total ou hemocomponentes pode ser definida como a transferência de sangue e hemocomponentes de um indivíduo (doador) para outro (receptor). Está indicada para pacientes que sofreram perda sanguínea significante ou alterações hematológicas decorrentes de doenças ou procedimentos (ex.: choque, traumatismo, hemorragia, doenças sanguíneas, intervenções cirúrgicas, entre outros).

   

PASSO 6
Paciente envolvido com a sua segurança
O paciente pode e deve contribuir para a qualidade dos cuidados à sua saúde, fornecendo informações importantes a respeito de si mesmo e interagindo com os profissionais da saúde. Ele deve ser estimulado a participar da assistência prestada e encorajado a fazer questionamentos, uma vez que é ele quem tem
o conhecimento de seu histórico de saúde, da progressão de sua doença e dos sintomas e experiências com os tratamentos aos quais já foi submetido.
Além disso, desenvolver um ambiente que proporcione cuidados centrados no paciente, tornando-o, bem como seus familiares, agentes ativos na busca de sua segurança, promove interesse, motivação e satisfação com o cuidado prestado, aspectos que possibilitam ter um bom resultado nas condições de saúde.

   

PASSO 7
Comunicação
A comunicação é um processo recíproco, uma força dinâmica capaz de interferir nas relações, facilitar e promover o desenvolvimento e o amadurecimento das pessoas e influenciar comportamentos.
Existem diversas formas de comunicação, como verbal, não verbal, escrita, telefônica, eletrônica, entre outras, sendo fundamental que ocorra de forma adequada permitindo o entendimento entre as pessoas. O paciente recebe cuidados de diversos profissionais e em diferentes locais, o que torna imprescindível a comunicação eficaz entre os envolvidos no processo.

   

PASSO 8
Prevenção de queda
A queda pode ser definida como a situação na qual o paciente, não intencionalmente, vai ao chão ou a algum plano mais baixo em relação à sua posição inicial. A avaliação periódica dos riscos que cada paciente apresenta para ocorrência de queda orienta os profissionais a desenvolver estratégias para sua prevenção.

   

PASSO 9
Prevenção de úlcera por pressão
Úlcera por pressão é uma lesão na pele e ou nos tecidos ou estruturas subjacentes, geralmente localizada sobre uma proeminência óssea, resultante de pressão isolada, ou combinada com fricção e/ou cisalhamento. A avaliação periódica dos riscos que cada paciente apresenta para a ocorrência de úlceras por pressão orienta os profissionais a desenvolver estratégias para sua prevenção.

   

PASSO 10
Segurança na utilização de tecnologia
A segurança na utilização da tecnologia compreende o benefício e o impacto no uso de um ou mais recursos, em prol do restabelecimento da saúde do paciente.
Visa identificar soluções que têm como propósito promover melhorias específicas em áreas de maior risco na assistência à saúde, para que a tecnologia seja utilizada de maneira apropriada.
A seguir estão descritas algumas medidas para promoção de segurança na utilização de alguns equipamentos utilizados na área da saúde.
 

 

 




 

 
 

Santa Casa de Santo Amaro - Rua Isabel Schmidt, 59 - Santo Amaro - CEP 04743-030 -São Paulo (11) 5525-8700

Design By Espaço Publicidade Comunicação & Arte